Estratégia do Planalto é deixar ‘Lula falando sozinho’

Depois de passar por um momento de susto e tensão com a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da cadeia, o núcleo político do governo de Jair Bolsonaro avalia que o petista não terá mais superexposição nas redes sociais e no noticiário. “É para deixar o Lula falando sozinho daqui em diante. Temos de focar nas pautas positivas”, disse o presidente Bolsonaro à sua equipe, numa conversa recente no Palácio do Planalto.

Organizador da estratégia, o próprio Bolsonaro, no entanto, terá de segurar seu temperamento explosivo para a aposta dar resultado. Na ofensiva para conter o primeiro adversário de peso do governo, a equipe do Planalto considera fundamental que o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), o filho “02” do presidente, continue afastado das redes sociais, sem criar novos embaraços.

Logo após os primeiros discursos de Lula, com ataques ao governo, Bolsonaro chegou a escrever no Twitter que não responderia a “criminosos, que por ora estão soltos”. No entendimento do presidente, se não for para o ringue, ele reduzirá a inserção de Lula no jogo político, relataram integrantes do núcleo do governo ao Estado.

Apreensão

No fim de semana após a soltura de Lula, a apreensão tomou conta não apenas do Planalto, como de representantes influentes do Judiciário e até de parlamentares moderados. No sábado e domingo passados, muitas reuniões e conversas pessoais e ao telefone foram realizadas entre integrantes dos três Poderes. Havia temor de que os discursos de Lula fora da cela da Polícia Federal, onde ficou preso por um ano e sete meses, levassem militantes petistas a promover manifestações.

Bolsonaro e os mais exaltados integrantes do núcleo de governo chegaram a pensar na aplicação da Lei de Segurança Nacional (LSN), uma das normas de repressão da ditadura que não foram varridas no período democrático. Informações dos serviços de inteligência, porém, indicavam que não haveria manifestos virulentos como os que ocorrem em Santiago ou La Paz.

Somava-se ao temor a realização do encontro dos Brics, ao longo da semana passada, em Brasília, com a presença de presidentes de Rússia, China e África do Sul, além do primeiro-ministro da Índia. Para evitar atos violentos, um forte esquema de segurança foi montado. O decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para esses dias deu o comando das ações de segurança às Forças Armadas, para facilitar a mobilização policial na Esplanada dos Ministérios.

Ainda havia preocupação sobre como a cúpula militar reagiria a possíveis protestos com atos agressivos. Diante da Batalha de Itararé que não houve, os integrantes do Alto Comando se acalmaram. Os militares, então, recorreram ao bordão de que não há “outro caminho” fora o respeito à Constituição e à democracia.

Soou como música um recado endereçado a Lula e à esquerda, enviado pelo ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista ao Estado na noite de domingo, 10, o autor do voto de minerva que permitiu a Lula deixar a prisão criticou o radicalismo e avisou que o Judiciário “saberá” agir pela “pacificação social”. “Se alguém quer se valer da Justiça para uma luta social, não vai conseguir. A Justiça não tolerará uma crise institucional”, afirmou Toffoli.

No Planalto, interlocutores de Bolsonaro dizem que o Brasil de hoje é muito diferente daquele de abril de 2018, quando Lula foi preso. Ali, todos acreditam que o petista voltou à cena com um tom muitos graus acima do que se esperava e isso acabou servindo para ajudar a unir, novamente, os eleitores contrários ao PT.

Por isso, Bolsonaro avisou aos ministros que não quer que ninguém “perca tempo” respondendo a Lula nem promovendo bate boca nas mídias sociais. A estratégia do silêncio deverá ser mantida pelo governo até uma avaliação sobre o giro de Lula pelo Nordeste, hoje seu principal reduto eleitoral.

19/11/2019

(Visited 1 times, 1 visits today)